Total de visualizações de página

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

ABELHAS MELIFERAS

                        Biologia das Abelhas

As abelhas nativas estão classificadas cientificamente como Meliponineos e pertencem a ordem Hymenóptera à sub-familia Meliponinae e agrupadas em três tribos; Meliponini, Trigonini e Lestrimelitini,

Foto 1: Entrada caracteristica (Melipona)









Foto 2: Entrada caracteristica (Trigonini ) 
                      








Foto 3: Entrada caracteristica (Lestrimelitini)





Conforme podemos verificar nas fotos acima é possível identificar a que tribo pertence uma determinada colmeia observando a forma/material como esta construído a entrada do ninho.

As abelhas sem ferrão brasileiras são os principais polinizadores da quase totalidade das árvores
da floresta brasileira sendo que algumas espécies dependem exclusivamente destes insectos daí a importância na protecção do meio ambiente aonde vivem estas abelhas e o esforço dos meliponicultores na criação e preservação das abelhas indígenas.

A criação das abelhas sem ferrão proporciona as pessoas que fazem o seu manejo uma satisfação pessoal muito grande porque não existe risco de acidente com os enxames. Resumindo os que mais se beneficiam com a criação das abelhas é o meio ambiente e o próprio homem, especialmente devido ao trabalho que as abelhas campeiras executam colectando o néctar e o pólen das flores e com isto contribuindo com a fertilização das plantas, assegurando a sua multiplicação e garantindo continuidade da espécie.

O meliponicultor deve sempre que possível orientar as pessoas sobre o resultado maléfico que o desmatamento, as queimadas, uso irresponsável de agrotoxicos e o extrativismo incorrecto do mel podem causar as abelhas indígenas, desequilibrando o meio ambiente, trazendo serias consequencias ao homem. 

Comentários Gerais;

As abelhas da subfamília de Meliponinae (Hymenoptera, Apidae) são conhecidas por "abelhas
indigenas sem ferrão porque possuem o ferrão atrofiado e nesta condição não tem condição de ferroar.
Se encontram presentes em vários continentes; América do Sul, Central, Ásia, Ilhas do Pacifico, Austrália, Nova Guiné e África.

Estão  subdividida em duas tribos. Meliponini  formada apenas pelo gênero Melipona, encontrado, exclusivamente, na região Neotropical (América do Sul, Central e Ilhas do Caribe), e Trigonini  que agrupa um grande número de gêneros e está distribuída em toda a área de distribuição da subfamília.

}  Todas as espécies de Meliponinae  são  eusociais, isto é, vivem em colônias constituídas por muitas operárias (algumas centenas, até mais de uma centena de milhar, conforme a espécie) que realizam as tarefas de construção e manutenção da estrutura física da colônia, coleta e processamento do alimento, cuidado e defesa da cria.
}   Cada colina é constituída por uma rainha, sendo que em algumas poucas espécies são  encontradas mais do que uma rainha), a qual é  responsável pela postura de ovos que vão dar origem às fêmeas (rainhas e operárias) e  parte dos machos. Vale ressaltar que em varias  espécies, parte dos machos são filhos das operárias).
}  Os machos são produzidos em grande número em determinadas  épocas do ano e podem realizar, esporadicamente, algumas tarefas dentro da colônia, além de fecundarem as rainhas.
}  Normalmente, alguns dias após emergirem (quando a abelha, após terminado seu desenvolvimento, sai da célula de cria), os machos são expulsos da colônia (Michener, 1946,  Kerr (1996).
}  O alimento larval que é uma mistura de secreção glandular, mel e pólen fica depositado nas células pelas abelhas operárias, imediatamente antes da postura do ovo, este tipo de aprovisionamento é denominado de aprovisionamento massal. O alimento se deposita em camadas  dentro da célula e a larva ingere, inicialmente, a fase líquida, composta por secreções glandulares e mel e por último  o pólen (fase sólida).
}  Durante o crescimento a larva passa por quatro mudas larvais. Após haver terminado de ingerir o alimento, tece um casulo de seda e se transforma em  pupa. A abelha adulta emerge da célula aproximadamente entre (40 e 42)  dias depois da postura. As operárias e os machos têm, mais ou menos, o mesmo tempo de desenvolvimento, enquanto que a rainha se desenvolve em menos tempo em Meliponini (37) dias, aproximadamente, no caso de M. quadrifasciata (Kerr et al., 1996). No caso de Trigonini, as rainhas são maiores que as operárias e levam mais tempo que as operárias e machos para emergir.  

As abelhas são insetos holometabolos, isto é, a fêmea realiza postura de ovos que dão origem as larvas, que são morfológica e fisiologicamente diferentes dos adultos.

}   As abelhas se alimentam, crescem, sofrem  um determinado número de mudas e se transformam em pupa, forma esta que não se alimenta e fica imóvel na célula de cria. Após algum tempo, a pupa sofre uma muda e  se transforma  em uma abelha adulta.
}  No caso de Meliponinae o ovo é posto em uma célula construída com cerume (mistura de cêra, produzida pelas operárias, e resina vegetal, coletada no campo) ou, no caso de algumas poucas espécies como a Lambe Olhos  Leurotrigona muelleri (Friese 1900), com cêra pura.
}  Vale ressaltar que  nessas abelhas, a postura envolve um ritual comportamental, bastante complexo (conhecido pelos especialistas pela sigla POP), que compreende interações entre a rainha e as operárias.
}  Este ritual é típico para cada espécie e leva à deposição de alimento na célula, postura pelas operárias de ovos tróficos (ovos postos pelas operárias de muitas espécies, durante o ritual de postura e que serve de alimento para a rainha e que, em alguns casos, é comido pelas próprias operárias), ingestão de alimento pela rainha, postura (da rainha) e operculação da célula.
}    Durante a operculação, eventualmente,  a operária pode realizar postura de ovo que, por não ser fecundado, irá originar macho (a rainha também pode por ovos não fecundados, que originarão machos).
}   As células de cria são agrupadas formando os favos, que na maioria das espécies de Meliponinae são horizontais, algumas espécies de Trigonini constroem favos em forma de cacho.
}      À entrada segue-se um túnel construído com cerume, resina ou barro que vai até a região onde é armazenado o alimento. Em Partamona  (Schwarz, 1939 que compreende 33 especies) , à entrada segue-se um vestíbulo, que em  algumas espécies se parece com  um ninho abandonado estreitando a entrada  interna do ninho. Este tipo de construção é para proteção do ninho contra predadores.
}      O alimento produzido pelas abelhas fica  depositado  em  potes construídos com cerume. Sendo que o mel e o pólen são armazenados em potes distintos.  Em algumas espécies  os potes onde é armazenado o pólen se diferencia  daqueles utilizados para o mel (Trigonini).
}       Na  espécie ( Frieseomelitta)  os potes de pólen são cilíndricos e com tamanho  maior do que os potes de mel que possuem o formato esferico.  A localização dos potes   também são diferentes de acordo com a espécie. Basicamente os potes ficam localizados ao redor do local aonde fica a  área de cria.
}       Os favos de cria são construídos com cerume e na maioria das espécies são horizontais. As células do centro do favo são as primeiras a serem construídas sendo as demais construídas à sua volta, dessa forma, usualmente, a cria da região central do favo é mais velha.
}      No caso de espécies que utilizam ocos em árvores ou parede para construção dos ninhos, esta cavidade é muitas vezes revestida com resina e delimitada com batume feito com resina, geopropólis (mistura de resina com barro) ou cerume, podendo apresentar-se perfurado, permitindo a ventilação e escoamento de líquidos que atinjam o interior do ninho.
}      Espécies que constroem o ninho exposto ou semi-exposto utilizam resina, barro e matéria orgânica em sua construção.  A Trigona utiliza folhas maceradas nessa construção.
}     Algumas vezes usam folhas e brotos de plantas cultivadas, especialmente de laranjas, rosas e nóz macadamia e por essa razão se constituem em séria praga em áreas de extenso cultivo dessas espécies. A Trigona constroe na parte oposta à entrada um escutelo, utilizando para isso lixo da colméia, abelhas mortas e fezes das abelhas. Essa estrutura bastante sólida protege o ninho e serve para sua sustentação.
}       Os meliponíneos possuem colônias perenes e com muitos indivíduos e, para manterem essas colônias, coletam grande quantidade de alimento parte do qual é armazenado na colônia.
}     A existência de mecanismos de comunicação, que variam de espécie para espécie, permitem a esses insetos sociais grande eficiência na exploração dos recursos existentes no ambiente, como fontes de água, alimento ou local apropriado para nidificação.
}     A forma mais simples de comunicação consiste, simplesmente, em dispersar, na colônia, o "cheiro" do alimento que as campeiras estão trazendo.
}       As campeiras correm por dentro do ninho, excitando as demais operárias pela movimentação. Novas operárias saem ao campo em busca da fonte de alimento orientadas apenas por esse "cheiro".
}      Esse tipo de comunicação é encontrado em Trigonisca, Frieseomelitta e Dukeola. Plebeia e Tetragonisca, durante a movimentação dentro da colônia, produzem um som que ajuda a estimular as operárias a saírem em busca de alimento com odor semelhante àquele que estão transportando.
}      Em Partamona, a operária ao voltar de uma fonte de alimento estimula outras operárias, posteriormente, sai do ninho em direção à fonte, sendo seguida por outras operárias. A guia libera durante o trajeto, um feromônio que auxilia na comunicação.
}       Em Nannotrigona, a operária que chega ao ninho com alimento reparte-o com outra operária e durante o processo produz som. O processo é repetido várias vezes tanto pela abelha que chegou com alimento como por aquelas com as quais ela dividiu o alimento. Dessa forma um grande número de operárias deixam a colônia em conjunto em busca da fonte de alimento, e repetem o processo várias vezes, de tal forma que em pouco tempo muitas abelhas da colméia estão coletando na referida fonte.
}  Diversas espécies de abelhas comunicam a localização da fonte de alimento por meio da marcação de uma trilha, com feromônio produzido pela glândula mandibular. Em Melipona, a campeira marca a fonte de alimento e faz marcas na vegetação a alguma distância da fonte, essa pequena trilha ajuda as demais operárias a encontrar o alimento. Operárias que chegam à colméia com alimento, o distribuem a outras operárias, emitindo som característico que indica a distância da fonte
}  As operárias se orientam pelo som e pela trilha marcada junto à fonte.
}  Em diversas espécies de Trigonini, como Trigona, Scaptotrigona, Oxytrigona e Cephalotrigona a trilha de cheiro é contínua da colméia até a fonte de alimento.
}  De espaço em espaço, a operária marca a vegetação com uma pequena gota de feromônio, a distância entre as marcas varia de espécie para espécie. (Lindauer & Kerr, 1960; apud, Kerr et al., 1996). Kerr et al. (1996) descrevem em detalhe os mecanismos de comunicação em várias espécies de meliponinae
}  Nas abelhas, e na maioria dos Hymenoptera, as fêmeas originam-se de ovos fecundados e são diplóides, enquanto que os machos originam-se de ovos não fecundados e são haplóides.
}  Ocasionalmente, quando as rainhas foram fecundadas por machos aparentados, parte de seus ovos fecundados podem originar machos diplóides, nesse caso a rainha da colônia poderá ser morta pelas operárias (Camargo, 1979).
}  Em Trigonini as rainhas são normalmente produzidas em células especiais, mais volumosas, muitas vezes, localizadas na periferia do favo de cria, denominadas realeiras ou células reais. Nessas células, a quantidade de alimento colocada é bem maior que aquela colocada nas células das quais emergem operárias e machos. Em algumas espécies dessa tribo, que constroem o favo em forma de cacho, uma larva presente em uma célula de operária, após ingerir o alimento da sua célula, fura a parede da célula adjacente e ingere o alimento, desenvolvendo-se em rainha (Terada, 1974). Algumas vezes de células reais não emergem rainhas, mas machos gigantes, cujo papel é desconhecido.
Determinação de casta e sexo
}  Nas abelhas, e na maioria dos Hymenoptera, as fêmeas originam-se de ovos fecundados e são diplóides, enquanto que os machos originam-se de ovos não fecundados e são haplóides.
}  Ocasionalmente, quando as rainhas foram fecundadas por machos aparentados, parte de seus ovos fecundados podem originar machos diplóides, nesse caso a rainha da colônia poderá ser morta pelas operárias (Camargo, 1979).
}  Em Trigonini as rainhas são normalmente produzidas em células especiais, mais volumosas, muitas vezes, localizadas na periferia do favo de cria, denominadas realeiras ou células reais. Nessas células, a quantidade de alimento colocada é bem maior que aquela colocada nas células das quais emergem operárias e machos. Em algumas espécies dessa tribo, que constroem o favo em forma de cacho, uma larva presente em uma célula de operária, após ingerir o alimento da sua célula, fura a parede da célula adjacente e ingere o alimento, desenvolvendo-se em rainha (Terada, 1974). Algumas vezes de células reais não emergem rainhas, mas machos gigantes, cujo papel é desconhecido.
}  Em Trigonini, qualquer larva de fêmea, se alimentada com quantidade adequada de alimento, é capaz de se diferenciar em rainha, e não existem evidências de diferenças qualitativas entre o alimento depositado em células que originarão operárias e machos e aquele depositado nas realeiras. Experimentalmente, é possível produzir rainhas, alimentando-se, em células grandes (construídas artificialmente), larvas jovens de operárias com maior quantidade de alimento, retirado de células de operárias ou de machos (Camargo, 1972; Buschini & Campos, 1995).
}  Em Melipona não existem realeiras. As operárias, os machos e as rainhas emergem de células semelhantes. Em Melipona quadrifasciata, os machos emergem, principalmente, de células localizadas na região central dos favos, enquanto que as rainhas emergem, principalmente, de células localizadas na periferia dos favos. Embora exista essa tendência, as rainhas também emergem de células centrais e machos de células periféricas. (Bezerra, 1995).
}  Nessas abelhas, há evidências de que existem fatores genéticos envolvidos no processo de determinação das castas. Kerr (1950) sugeriu que as rainhas fossem produzidas a partir de larvas duplo heterozigotas (AaBb), que houvessem recebido quantidade adequada de alimento. Larvas homozigotas em qualquer dos dois loci (AABb, Aabb, por exemplo), ou nos dois (aaBB, por exemplo) e as duplo heterozigotas, quando recebem menos alimento, dão origem a operárias.
}  Neste gênero também não existe evidência de diferença qualitativa entre o alimento alocado para as operárias, para os machos ou para as rainhas.
}  Em Meliponinae, de um modo geral, rainhas virgens podem ser encontradas nas colméias durante todo o ano. Existem épocas, entretanto, em que são produzidas em maior número
}  Diversas espécies de Trigonini aprisionam rainhas virgens em uma construção de cêra conhecida como célula de aprisionamento de rainha, (Moure, Nogueira-Neto & Kerr, 1958; apud Nogueira-Neto, 1970), nessa célula as rainhas são mantidas por períodos variados de tempo.
}  Em algumas espécies de Trigona, as rainhas armazenam durante seu desenvolvimento grande quantidade de reservas orgânicas e permanecem na realeira algum tempo após o término de seu desenvolvimento.
}  Em Melipona as rainhas virgens podem ser mantidas na colônia por algum tempo, algumas vezes dentro de potes de alimento vazios. Tanto em Trigonini como em Meliponini, alguma dessas rainhas virgens pode substituir a rainha da colméia, em caso de morte desta, ou enxamear junto com parte das operárias para fundar novo ninho, as demais são mortas ou expulsas da colméia pelas operárias
}  Alimento
}  A imensa maioria das abelhas se alimenta de produtos obtidos nas flores. Os meliponíneos coletam néctar das flores e por desidratação e ação enzimática o transformam em mel que é armazenado na colméia.
}  O mel das abelhas sem ferrão apresenta composição diferente do mel de Apis mellifera. São mais fluidos e cristalizam lentamente.
}  A quantidade do mel armazenado na colméia varia muito, havendo espécies que armazenam quantidades muito pequenas, como é o caso de Leurotrigona. Algumas espécies de Melipona armazenam quantidades bastante grandes, sendo que em algumas regiões elas são criadas para produção de mel, como é o caso de Melipona compressipes (Tiúba) no Maranhão.
}  O principal alimento protéico para as abelhas adultas e suas larvas é o pólen. Após sua coleta nas flores, pelas abelhas campeiras, ele é transportado para a colônia onde é estocado, sofrendo alterações físico-químicas, devido a processos fermentativos (Penedo et al. 1976). Esses processos diferem segundo o grupo a que pertence a abelha, e permitem uma melhor assimilação dos nutrientes e melhor preservação do alimento estocado (Machado, 1971).
}  Nos potes de estocagem de pólen, são colocados a massa de pólen, sucos digestivos e microrganismos. Posteriormente, esses potes são fechados, prosseguindo a fermentação que se processa, num primeiro momento, sob condições de aerobiose, ocorrendo sucessão de tipos bacterianos, diminuição do pH e da tensão de oxigênio.
}  O produto inicial, rico em pólen e microrganismos, com pH em torno de 5,0 a 6,0; após alguns dias, dá lugar a uma massa fermentada, de coloração marrom levemente amarelado e odor característico, com pH em torno de 2,6, com baixo número de microrganismos (alguns anaeróbios) estando pronto para ser consumido pelas abelhas (Machado, 1971, Fernandes-da-Silva & Zucoloto, 1994).



Mapa com a distribuição das Meliponas no Territorio Nacional;

Nenhum comentário: